A velhice é uma coisa triste, mas um dia vai chegar para todos nós, basta estarmos vivos. Nos  países emergentes como o Brasil e outros, os idosos são excluídos, marginalizados, basta visitarmos os asilos públicos que são verdadeiros depósitos de velhos. No caso se o idoso é rico e não quer incomodar a sua família, já existem, casas especializadas com bons médicos geriátricos, fisioterapeutas de qualidade, boa  alimentação, mas prepare-se para pagar em torno de uns doze mil reais mensais (só  mesmo  para  velhos  ricos), pois mais da metade deles não ganham isso e cada vez mais a sua aposentadoria se achata, fruto de políticas sociais irresponsável do governo. Isso não acontece em países como Dinamarca, Suécia, Noruega, ou  seja, os  países desenvolvidos.

Eu  tive  a  oportunidade  de  visitar em Copenhague uma casa  de repouso do governo e o idoso tem toda mordomia, horário para fazer as refeições, seção de ginástica, fisioterapia, acompanhamento médico, exames rotineiros, aulas de dança, salão de jogos e muitos outros divertimentos, sendo que o seu apartamento é privativo com TV e banheiro adaptado para as necessidades dos idosos.

Temos que salientar, que nesses países a medicina é para todos e gratuita, pois  os impostos são bem aplicados na saúde e na educação que é de graça,  ou  seja, não  existe plano de saúde e os colégios, como as universidades são públicas. Bem diferente  dos países subdesenvolvidos em que as pessoas trabalham honestamente, mas no fim  de vida muitas as pessoas ficam a mercê de uma péssima aposentadoria, passando  muitas vezes necessidade, só quem é rico nos países emergentes é que não passa por estas dificuldades, por isso eu fiz a poesia:

A VELHICE

Nas migalhas do meu lar

A Tv e a velha cadeira de balanço formam o cenário

Sinto meu cansaço no ar

Dos objetos existentes sobra o armário

Todos frutos do meu trabalho

As teias de aranha, amigas eternas

Na casa a circular

A velha cadeira a balançar

E o veio sem ter ninguém prá te amar

E para terminar

O rosto do veio enrugado

Que triste sina é a sua sorte

Pois quem sabe um dia a morte?

Vem te buscar.


4 Responses to A Velhice

  1. Aldilea Azevedo disse:

    Olá! meu amigo Wagner. Em primeiro lugar quero parabenizá-lo pelo belo trabalho e pelas poesias.
    A sua abordagem é muito interessante, faz parte do nosso convívio, e hoje é um tema muito falado em todo o mundo. A “velhice”, também conhecida como terceira idade ou melhor idade.
    Sou Fisioterapeuta e adoro trabalhar com o idoso. Participo de muitas ações sociais em casas de repousos.
    Entendo a terceira idade como um momento especial na vida, pois muitos não conseguem alcançar a longevidade; no entanto, busca-se o envelhecimento com qualidade de vida. Ainda verificamos uma certa discriminação e desconfiança da sociedade, sobre a capacidade funcional dos idosos, e isto traz, para muitos o isolamento e a depressão, independentemente da classe social.
    Penso que temos muito a aprender com os idosos, afinal a vida é um ciclo. E esperamos que como o Brasil, é um país que caminha para o aumento da população de idosos, mais programas sociais sejam instalados e fiscalizados para funcionarem bem de fato e de direito.

    Um grande abraço,

    Aldiléa Azevedo

    • wagner disse:

      Obgd, minha amiga do MARANHÃO, essa linda terra , trabalhe sempre fazendo a sua parte , buscando sempre ajudar com o seu trabalho os mais favorecidos, pois são pessoas como você e´que precisamos para fazer uma grande revolução social, principalmente no seu estado onde existe uma grande desigualdade social, forte abraço do seu amigo J. BRITO.

  2. ZIL BRASIL disse:

    BOM DIA AMIGO WAGNE BRITO SUAS CRONICAS SAO A REALIDADE DO DIA A DIA
    PARABENS AMIGO
    TE DESEJO MUITO SUCESSO

    E CONTE COM SUA IRMA
    UM BEIJO NO CORAÇAO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>